Chagdud Gonpa Khadro Ling

O Chagdud Gonpa Khadro Ling, localizado no município de Três Coroas, no Rio Grande do Sul, é a sede sul-americana de uma rede de Centros de Budismo Tibetano Vajraiana fundado por Sua Emª Chagdud Tulku Rinpoche em 1995. Com o falecimento de Rinpoche em 2002, os centros estão sob a direção espiritual de Chagdud Khadro, sua esposa. Em tibetano, Kha significa “céu”; Dro significa “mover-se”, “ir”, “dançar”; Khadro é a tradução de Dakini, palavra associada a um aspecto da energia iluminada na forma feminina. Já Ling significa “local”. Uma tradução possível para Khadro Ling, então, é “Morada das andarilhas do céu”.

Cerca de 50 praticantes do Budismo Tibetano Vajraiana moram no Khadro Ling. São pessoas de vários locais do Brasil e do mundo, que vieram para cá com o objetivo de priorizar a prática espiritual e auxiliar nas atividades diárias necessárias à manutenção da Fundação Chagdud Gonpa. Toda a estrutura do centro é mantida por doações.

A Fundação

O Chagdud Gonpa Brasil faz parte de uma rede internacional de centros cuja origem é o Chagdud Gonpa no Tibete, um monastério fundado no século XV. Estabelecidos em 1994 por S. Ema. Chagdud Tulku Rinpoche, os centros brasileiros oferecem ensinamentos e práticas de meditação da tradição Nyingma do Budismo Tibetano Vajraiana. Além do monastério do Tibete e da rede brasileira, a Fundação Chagdud Gonpa também possui centros nos Estados Unidos, Uruguai, Chile e Itália.

Para saber mais sobre os Centros na América e Europa, acesse:

Os lamas residentes

Foto de Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche em fundo preto

Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche

Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche nasceu no leste do Tibete (Kham), em 1930. Reconhecido aos quatro anos como um tulku (encarnação de um mestre de meditação), recebeu treinamento rigoroso e aprofundou os seus estudos em retiros extensos. Ele tinha uma afinidade especial pelas artes sagradas e pela medicina tibetana, e era famoso por sua voz maravilhosa, como cantor.

Em 1959, ele escapou da ocupação comunista do Tibete e viveu exilado em comunidades de refugiados na Índia e no Nepal até se estabelecer nos Estados Unidos, em 1979. A pedido dos seus alunos ocidentais, criou a Fundação Chagdud Gonpa, uma rede de centros da linhagem Nyingma do Budismo Vajraiana. Em 1994, mudou-se para o Brasil e começou a construção do seu centro principal, o Khadro Ling, no Rio Grande do Sul. Quando morreu, em 2002, ele havia fundado mais de vinte centros no Brasil, Uruguai e Chile.

Ao viajar e ensinar constantemente, irradiando entusiasmo e compaixão, tornou-se o lama do coração de centenas de alunos e foi uma inspiração profunda para milhares de outros. Quando lhe perguntavam por que, aos sessenta e quatro anos, mudou-se para a América do Sul ao invés de permanecer confortavelmente nos Estados Unidos, respondia: “percebi a fé dos brasileiros e o seu interesse no Budismo e quis ensiná-los”.

Sua esposa, Chagdud Khadro, é a Diretora Espiritual dos seus centros na América do Sul. Seu filho, Jigme Tromge Rinpoche, treina alunos na meditação mais elevada de Dzogchen e é o mestre vajra de muitas grandes cerimônias e iniciações nos centros do Chagdud Gonpa nas Américas do Norte e do Sul. Chagdud Rinpoche também teve uma filha, Dawa Lhamo, que reside no Colorado.

Agora, em um ciclo completo, o tulku de Chagdud Rinpoche foi reconhecido por Khenpo Ngagchung no Tibete. Conhecido como Chagdud Yangsi, ele é o foco das preces e aspirações profundas dos membros da sanga ao redor do mundo.


“Se eu tivesse que deixar somente um legado, seria o da sabedoria da motivação pura. Se eu tivesse que ser conhecido por um único título, seria o de lama da motivação… No momento em que os nossos corações se inclinam à compaixão por todos os seres, a nossa motivação se expande em direção à motivação todo-abrangente de um bodisatva.”

Foto de Chagdud Khadro

Chagdud Khadro

Chagdud Khadro conheceu Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche em março de 1978, casou-se com ele em 1979 e foi aluna dedicada até o parinirvana dele, no dia de seu aniversário de casamento, vinte e três anos mais tarde.

Ao ordená-la lama em 1997, Chagdud Rinpoche designou-a para ser a futura diretora espiritual do Chagdud Gonpa Brasil. Na função de lama dirigente após a transição do Rinpoche, Khadro tem se concentrado em dar continuidade ao treinamento vajraiana de alta qualidade estabelecido por ele.

Durante o tempo vivido com o Rinpoche, Khadro recebeu treinamento constante, que abrangeram desde a organização de atividades do Darma, até os ensinamentos e prática do Vajrayana. Ela colaborou em sua autobiografia O Senhor da Dança e, sob sua orientação, compilou comentários de seus ensinamentos sobre o ngondro do Dudjom Tersar, sobre a prática de powa de Longsal Nyingpo e sobre a versão concisa de Tara Vermelha de Apong Terton. Antiga diretora e editora da Padma Publishing nos Estados Unidos, Khadro editou muitas traduções de obras tibetanas. Após sua mudança para o Brasil com o Rinpoche em 1995, ela passou a trabalhar na publicação de traduções para o português e o espanhol de textos do budismo tibetano.

Lama Sherab Drolma

Lama Sherab é uma das professoras residentes do Khadro Ling, e viaja pelo Brasil dando suporte aos praticantes através de ensinamentos, aconselhamento espiritual e prática.

Serviu ao Rinpoche como tradutora, atendente pessoal e como administradora das suas atividades no Darma. Também é uma extraordinária dançarina da dança dos lamas que expressa autenticamente o significado da meditação através dos movimentos.